domingo, 5 de junho de 2011

Carcinoma

Os carcinomas são tumores malignos compostos de células epiteliais modificadas, indicando que a origem desses tumores seja epitelial. O termo também abrange as neoplasias de origem celular desconhecida, mas que apresentam certas características moleculares, celulares e histológicas que são típicas de células epiteliais, como a produção de citoqueratina, filamentos intermediários ou estrutura específica como estratificação e pseudo-estratificação.


O carcinoma in situ (CIS) é um carcinoma restrito ao epitélio que ainda não invadiu a membrana basal do epitélio. Trata-se de um câncer pré-invasivo, que ocorre quando as alterações displásicas envolvem toda a espessura do epitélio. É, na verdade, um processo patológico, que pode inclusive evoluir para um carcinoma invasivo. Quando esse carcinoma cresce demasiadamente, as células displásicas rompem a membrana
basal e deixam de ser chamadas CIS, tratando-se de carcinomas invasivos de fato. Múltiplas mutações que ocorrem nessas células quando ainda são in situ (carcinoma in situ), confere-lhes um caráter maligno (invasão e metástase). Ele pode ser tratado por remoção cirúrgica total por meio de ressecção, crioterapia ou tratamento com laser. É possível que ele retroceda sob certas condições.

[Anatpat - Unicamp http://anatpat.unicamp.br/]
 
Epitélio cervical normal. Epitélio estratificado pavimentoso.

[Imagem adaptada de Anatpat - Unicamp http://anatpat.unicamp.br/]

Carcinoma in situ do colo uterino. Alterações displásicas se extendem por toda a camada epitelial. Presença de atipias nucleares e figuras de mitose. Padrão celular pleomórfico, com desorganização da arquitetura em camadas e perda da estratificação, conforme ressaltado no retângulo. Círculo indica comprometimento glandular, caracterizando extensão glandular do carcinoma in situ. No entanto, não há invasão da membrana basal (asterisco).



 [Anatpat - Unicamp http://anatpat.unicamp.br/]
Maior aumento de carcinoma ins situ do colo uterino, evidenciando intensa atividade mitótica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário