segunda-feira, 25 de julho de 2011

FISH

        FISH é a abreviação de “Fluorescent in situ hybridization” (hibridização fluorescente in situ) que define uma técnica pela qual se realiza o acoplamento (hibridização) de duas fitas de DNA complementares, em lâminas para microscopia. Esta técnica permite identificar, ao microscópio, a presença, ausência, quantidade ou localização de segmentos cromossômicos específicos, através de sondas de DNA marcadas com fluorocromos.
        As células ou tecidos a passarem pelo FISH devem ser fixados, geralmente em lâminas de vidro. Então, é feita a desnaturação do DNA, que é seguida da adição das sondas. Após o anelamento das sondas, é feita uma lavagem para retirar o que não se ligou e é feita a leitura, no caso do FISH direto ou é feita a adição de anticorpos marcados para posterior leitura, no FISH indireto;



       FISH pode ser utilizado para diagnósticos de LMC (caracterizada pela presença da translocação t(9;22) que dá origem ao cromossomo Philadelphia ) em casos Pacientes com diagnóstico de LMC apresentarem um rearranjo mais complexo que pode mascarar a presença do cromossomo Philadelphia; Não são observadas células em metáfase; Há necessidade de quantificar a presença de células com e sem o cromossomo Philadelphia, seja após tratamento com Interferon ou após transplante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário